quarta-feira, 17 de julho de 2013

POEMA "A PORTA" - VINÍCIUS DE MORAES

Eu sou feita de madeira
Madeira, matéria morta
Mas não há coisa no mundo
Mais viva do que uma porta.

Eu abro devagarinho
Pra passar o menininho
Eu abro bem com cuidado
Pra passar o namorado
Eu abro bem prazenteira
Pra passar a cozinheira
Eu abro de supetão
Pra passar o capitão.

Só não abro pra essa gente
Que diz ( a mim bem me importa...)
Que se uma pessoa é burra
É burra como uma porta.

Eu  sou muito inteligente!
Eu fecho a frente da casa
Fecho a frente do quartel
Fecho tudo nesse mundo
Só vivo aberta no céu!


8 comentários:

SAMARA MIRANDA disse...

Comparando a porta a uma pessoa, que também é uma matéria, pode ser que alguém nos considere sem vida ou burro(a), mas não devemos nos importar com os comentários; continuemos servindo aos outros de acordo com as necessidades. Em outras palavras, podemos ser uma porta para facilitar a vida de alguém ou travar. Portanto, vamos pensar duas vezes ao servirmos, lembrando que não devemos fazer acepção de pessoas,e sim, sermos uma porta aberta em igual intensidade para todos, e em qualquer lugar.

Júlia Rafaele disse...

Samara Miranda: concordo com o seu comentário, porque ainda que alguém nos considere burros ou sem vidas, nós não devemos dar ouvidos para certos comentários, pois o que realmente importa não são as coisas que falam ao nosso respeito e sim a nossa verdadeira imagem, ou seja, aquilo que realmente somos.

Stéphany Mota Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Neide Pereira Silva disse...

Samara me perdoe mas o poema da porta tem tudo a ver com as pessoas bem mais velhas que usava esse termos,mas ele conclui perfeitamente.Ele não tá dizendo que somos Burro.Talvez se eu lesse poderia dizer é pra mim! Eu escrevo mal pois tive uma amnesia motivo medicamento estou reaprendendo a escrever.Mas só no pc ainda sai mais ou menos pois tento corrigir.Se escrevo fora do corretor vai conter no texto vários erros.Onde um dia o face me disse vai estudar português você nem sabe escrever.Sem saber como explicar fui na Dislexia para dar uma justificativa pois não sou dislexia não, mas apareceu uma mensagem volta abra seu face pois tinha me excluído.Eu creio que ninguém é tão desprovido de sabedoria por não ter estudado sempre algo aprendemo na escola da vida.Mais não estou te criticando não.Pois uma coisa
que aprendi quando me ofendem é ver de uma forma diferente os motivos que levou tal pessoa me ofender.Não porque sou boa não mais ofender quem me ofendeu não vai mudar nada nem acrescentar nada em nossas vidas.Não precisamos mesmo levar desaforo para casa! Mas posso me desfazer dele jogando em alguma lixeira do caminho pra casa.
Samara muitas vezes nosso silencio não é omissão,sim sair o silencio ecoa mais do que trocas de ofensas.Espero que tenha me entendido.



marina nina disse...

Oi, Neide

Parabéns por tua coragem de mostrar tua opinião, tens razão com essa coisa de criticar e principalmente de fazer críticas sem ter noção de tudo o que envolve uma ideia ou fato, no fim o que fica é nossa essência por traz das palavras ditas ou "não".
Beijão!!!!

Amo as poesias voltadas para o público infantil de Vinícius!! Mais ainda as que foram musicadas por Toquinho.

Alaíde Leite disse...

Parabéns Samara por manter acesa a chama do lirismo poético. Amanhã sera o Dia do Poeta! Salve, salve Vinicius.
Professor Alaíde Alves Leite

Evely Leao disse...

Nossa, esse eu sabia decorado.

Que legal relembrar esses poemas... volto ao ensino fundamental. Lembranças maravilhosas!!!

Gildo treinador disse...

Vou estudar isso o poema
Mas famoso
,😘😘😘😘😘😘😘😘😘