quarta-feira, 15 de maio de 2019

15 de MAIO - PARADA NACIONAL CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Tenho 52 anos, às vésperas de completar 53... menos de 1 mês. Comecei a trabalhar aos 18 anos. Isto quer dizer que tenho colaborado com a gestão pública em todas as esferas de governo, pois do meu imposto é paga a aposentadoria de muitos trabalhadores, também se faz tanta coisa com ele, "pelo menos é o que divulgam". Mas, com a Reforma da Previdência que está por vir, quem pagará a minha aposentadoria, se é que eu vou me aposentar um dia?!

Sou professora de Língua Portuguesa e História. Honro minha profissão de formadora de opinião. Amo meu país, nunca desejei sair para morar em outro, pois sei que aqui tem futuro e condições de se tornar uma potência, porém, muito me decepcionei ao longo de minha caminhada. Meio século ouvindo falar em lutas e conquistas, e até fiz parte de algumas delas. Fiz greve quando foi preciso, participei segurando cartazes, faixas e emprestando a minha voz, e hoje, parece que tudo desmoronou. Não sabemos onde isso vai dar.

Sou consciente que a Reforma Previdenciária chegaria em algum momento, pois na teoria tudo se renova, se reestrutura, e o discurso diz que é sempre para melhor. No entanto, o brasileiro está cheio de incertezas.

Votei em Bolsonaro, cheia de expectativas. Sou rotulada de rica, burguesa, porque estudei na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), gratuita, quando poderia ter ido para alguma particular, mas eu sabia que o imposto do meu pai estava garantindo minha aprendizagem ali. Ouço me culparem diariamente por ter votado em Bolsonaro, repito. E jogam que tenho culpa do caos que vem por aí. 

Votei, acreditando que tudo pode melhorar se for feito com seriedade e compromisso. 
Exijo respeito com o meu voto. Que nada seja feito por impulso, apenas pensando em favorecer o judiciário, políticos e empresários. É o povão quem elege, é o povão quem compra com "o suor do rosto".

Eu sou povão, apesar de ter um salário de professor mais elevado que outros de minha categoria, entretanto, estudei para isso. Nunca comprei certificado, canudo, diploma. Foram dias e noites de estudo.

Sou nordestina com muita honra, filha, neta, bisneta e tataraneta de trabalhadores que ajudaram a construir o país e minha personalidade, cujo caráter vai além de um corpo bem modesto, discreto, pois o sangue corre nas veias.

Que venham mudanças, lembrando que não é o assalariado que onera os cofres públicos. São as despesas e mordomias dos deputados e senadores pagas com a minha contribuição. Eu pago muito bem para me representarem em Brasília, então, não devo ficar calada. Vou morrer defendendo a causa do professor. Professor doa mais ao governo do que recebe. Professor se doa, se consome, e a saúde vai minguando.

"Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus." (Mateus 14:20) Palavras sábias do meu mentor espiritual, que me ensinou a maior lição de Economia, quando realizou a multiplicação dos pães e mandou guardar o restante. Sem esquecer o texto bíblico do período das vacas gordas e magras do Egito, conforme consta no texto bíblico de Gênesis 41:35-36, momento de advertência de Deus, ensinando que devemos pensar no futuro. Estou fazendo minha parte. Quero segurança para me aposentar, afinal, quem garantirá minhas consultas médicas, meu remédio, meu abrigo? A sensação que tenho é que estará sendo defasado com o passar dos anos. Trabalharemos em vão?

Que justiça seja feita! O Presidente Bolsonaro teve a alegria de se aposentar cedo; nós não estamos pedindo aposentadoria para essa idade, porém, que compreenda o que é se aposentar quando não se pode render no trabalho. Queremos tempo de lazer para a família, queremos desfrutar das belezas naturais de nosso país, queremos dinheiro poupado, ganho com esforço e não com propina. 

Quero que passe o Brasil a limpo sem mexer na minha aposentadoria. Não quero pagar pelos erros do passado e do presente que outros cometeram. Quero que me deem dignidade para continuar em sala de aula e que resgatem meu orgulho de ser brasileira.

domingo, 12 de maio de 2019

TORRE: METÁFORA DE MÃE

As mães desejam ganhar no seu dia, que é todos os dias, mas comercialmente comemorado no segundo domingo de maio, atenção, carinho, respeito, amor, expressos num cheiro, beijo, abraço. Claro que tudo isso acompanhado de flores e de um presente trazido da loja, cai bem, mas o principal é o aconchego do lar, a harmonia.

Seja a que se encontra em casa ou em outra cidade, ou quem sabe, em um leito de hospital, abrigo, penitenciária... é mãe... será sempre mãe. Elas querem paz. Elas oram, e Deus recebe a oração e acolhe-as em seu trono. Ele vê suas lágrimas intercedendo pelos filhos.

Um dos mandamentos de Deus é: "Honra a teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá." Êxodo 20:12

Glória a Deus por elas existirem, por serem nossos anjos e nos conduzirem na caminhada terrestre, lembrando que depende delas também o nosso preparo para a caminhada celestial, pois Jesus Cristo teve a Sua para mostrar a importância da família, da orientação, dos ensinamentos, dos conselhos para o dia a dia. 

Mãe, "torre forte" em todas as situações, dentro ou fora de hora.

Parabéns às homenageadas in memoriam e às que continuam se doando para formar o caráter de novos cidadãos!

É hora de algumas repensarem sua condição de mãe, e assim melhorar no trato dado aos filhos. Mãe é inesquecível! Que possamos continuar dando o melhor de nós, a fim de colhermos frutos nesta vida e para a eternidade! Os Céus agradecerão.

domingo, 21 de abril de 2019

SOBRENOME ANASTASIA, ANASTAZIA

Vem do grego Anastasios, derivado de Anastasis, que significa RESSURREIÇÃO.

Daí é que se derivam outras palavras como anestesia e sinestesia.

Anestesia é a perda de sensações e sinestesia corresponde ao conjunto de sensações. 

Na poesia a sinestesia é um recurso muito usado, a fim de passar a ideia de tristeza, alegria, cheiro, dor...

Também temos os nomes próprios Anastácio e Anastácia.

E existem os sobrenomes variantes: Anastasiou e Anastazia.

Hoje, momento em que se comemora o Domingo da Ressurreição de Jesus Cristo, achei propício publicar este sobrenome.

A Ressurreição é a minha esperança. Espero que também seja a sua. Vale a pena viver aqui e aguardar a vida eterna em Jesus Cristo.

"Tragada foi a morte pela vitória." 1 Coríntios 15:54 

Feliz Páscoa a todos! Amém!

terça-feira, 16 de abril de 2019

LANÇAMENTO DO LIVRO "HYBRIS - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E A REVANCHE DO INCONSCIENTE", DO EMBAIXADOR ALESSANDRO CANDÉAS

Ontem, dia 15 de abril, às 10h, no Auditório Pedro Silveira e Sá Leitão, do Instituto Federal Científico e Tecnológico do Rio Grande do Norte - IFRN, Natal/Campus Central, ocorreu o lançamento do livro do Embaixador Alessandro Candéas.

Ele nasceu em Recife, mas possui raízes potiguares, e por isso, fala orgulhosamente e com carinho sobre esses lugares que de certa forma alicerçaram sua carreira estudantil e profissional. No Itamaraty, Alessandro Candéas atuou nas áreas de organizações internacionais, planejamento diplomático, meio ambiente, cooperação técnica, tratados internacionais, defesa, segurança e pesquisa em relações internacionais. Ele é professor do Instituto Rio Branco e Chefe do Departamento de Defesa de Relações Exteriores.

Estiveram presentes professores e alunos do IFRN do Centro de Tecnologia e Informática; professores do Colégio Nossa Senhora das Neves e alunos representantes do Centro Cívico o qual foi fundador na década de 80, quando cursava o científico; alunos de escolas públicas de Guamaré, bem como alunos de outros cursos do IFRN, todos interessados em saber mais sobre a inteligência artificial com a qual já convivemos e em conhecer os passos da carreira diplomática. Foi a ocasião de reencontrar familiares, ex-professores e ex-colegas de sala de aula da adolescência.

Em sua fala, o Embaixador enfatizou que as pessoas se comportam como máquina e a máquina faz o papel das pessoas. Deu exemplo de como tudo se processa ao nosso redor de forma mais inconsciente do que consciente. Acrescentou ainda que devemos tomar cuidado para não perdermos o sentimento, pois máquina não possui sentimento. E que de tanto nos envolvermos com a tecnologia, acabamos esquecendo de viver os relacionamentos entre família e amigos.

Foi uma palestra bem pertinente para a geração que está se familiarizando cada vez mais com o tema inteligência artificial e sobre relações exteriores, para quem quer saber como chegar ao Itamaraty.

Parabéns a todos que estiveram empenhados nessa programação, em especial, aos professores Iaçonara Miranda de Albuquerque, Luzimar Barbalho e Amadeu Albino Júnior, que organizaram as visitas à estrutura interna do IFRN, a fim de dar oportunidade aos alunos de Guamaré a conhecerem o Museu do Minério, o Núcleo de Incubação Tecnológica, a Central de Línguas e O Clube de Física. E parabéns também aos alunos do IFRN pela bela exposição de experiências apresentadas durante as visitas.

Agradeço imensamente à Cinthia Katheriny Miranda (Secretária Municipal de Educação de Guamaré), à Joelma Guimarães Miranda Silva (Secretária Municipal de Transportes), à Cleangela Maria Lima de Melo (Diretora da Escola Municipal Benvinda Nunes Teixeira) e à Marta Campelo Cruz (Diretora da Escola Estadual Monsenhor Joaquim Honório), pela logística ao transportar nossos alunos à palestra e visita ao IFRN.























 

 



















































VISITAS REALIZADAS PELOS ALUNOS DE GUAMARÉ À ESTRUTURA DO IFRN.