quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

O CUIDADO COM OS MÚSCULOS

Tanta gente leva uma vida sedentária, arranja desculpa para não cuidar do corpo. Diz que não tem tempo para isso, mas sabe como eu faço? Trabalho em duas escolas, tenho atividades na igreja, vou a supermercado, lavo louça, lavo roupa, no entanto, encontro tempo para caminhada e varrer uma casa, arrumar guarda-roupa. Então, fazendo todos essas atividades é possível esticar o corpo. 

Inicialmente, pode-se fazer um aquecimento, em seguida, pega-se uma vassoura. É varrendo a casa e flexionando o corpo. Conta uns movimentos pra cá e pra lá. Você pode lavar roupa e, enquanto a estende no varal, vai se alongando, sempre aumentando a quantidade de movimentos. Eu aproveito a ocasião, levanto os braços, abro e fecho as mãos, ergo os braços para trás e para a frente, dou pulos, salto para a esquerda e para a direita. 

Mas, você diz: _ É a máquina quem lava, quem centrifuga, tem uma pessoa que passa a roupa ou então vai para a lavanderia. Se puder, arrume a louça no armário, os depósitos plásticos, e vai se esticando. Acredito que deve-se unir as vantagens do biotipo com os movimentos, e dá para fortalecer os músculos, lembrando que todo esse cuidado relaxa o corpo e diminui as dores musculares.

É igual ao exercício da fé. Minha fé amanhã deve ser maior que a de hoje, e, a de hoje, maior que a de ontem. 

E assim eu vou me cuidando, mantendo 51 Kg, quando o ideal para o minha altura é ter 52 Kg. Aí, é bom deixar uma margem para aumentar, melhor do que acumular quilinhos e relaxar na dieta. 

O corpo sente "o peso" da idade. A tendência é envergar; logo, vamos trabalhar os músculos!

Esta mensagem é de incentivo, Não deixe para se movimentar só quando resolver frequentar uma academia.

Lembrando que a música eletrônica é uma boa aliada para melhorar o humor. Cada um faz da forma que se sente melhor. O importante é ter a vontade de ter mais saúde. 

Vamos lá! Comece agora e sinta-se motivado(a)!                                                                                                                                                                                                                  Não se intimide se alguém lhe flagrar fazendo os movimentos, persista!


segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

ANIVERSARIANTES DE JANEIRO

Deus seja a fiel e constante companhia de cada um, pois sem Ele a vida não possui sentido. 

Parabéns!

domingo, 7 de janeiro de 2018

A ESCOLHA DA PROFISSÃO NA ERA SMART

A vida é feita de escolhas. Esta é uma das poucas certezas da vida, bem como sabemos que um dia vamos deixar a vida terrena.

Não escolhemos nascer. Não optamos em nos tornar crianças, adolescentes ou idosos, mas são etapas que necessitamos cumprir. Não há como escaparmos dessa condição.

Aí, crescemos ouvindo familiares e amigos perguntando: _ O que você vai ser quando crescer? Até que um dia a “ficha cai”, e chega a hora de decidirmos.

Antigamente se fazia teste vocacional nas escolas. Os pais ofereciam aos filhos opções do tipo: ser engenheiro, médico, advogado, militar, professor, freira ou padre, porque sonharam com isso e investiram na carreira deles. Alguns, em se tratando de padre e freira, seguiram mais como promessa feita a Deus pelos pais, quando pediam que lhe desse um filho, em não se acharem férteis ou quando o filho sobrevivia, pois muitas crianças brasileiras morriam na hora do parto, bem como por motivo de doença comum na infância ou de desnutrição, antes de completar 1(um) ano de vida.

Outra geração seguiu determinada profissão, porque não tinha dúvida que era isso que queria para si. Era por amor mesmo. Porém, hoje, eu sinto que as pessoas escolhem na maioria das vezes, em se tratando do curso que o momento econômico lhes proporciona, por ser perto de casa e trazer vantagens financeiras que não exigem aperfeiçoamento, e mais ainda, por ter a vaga garantida por seu padrinho político quando terminar o curso.

De uma forma ou de outra, enfrentam o dilema de se questionar: vou ser o quê? Tempos atrás se podia sonhar com aposentadoria tranquila. Quem sabe, um dia, comprar uma casa com piscina, um sítio, uma casa na praia, um carro, um cavalo ou adquirir outro patrimônio, ter uma conta “gorda”!

Eu fui da geração do vestibular, da época que ter nível superior era ganhar numa loteria, pois era privilégio de poucos. Era difícil a luta pela sobrevivência na cidade grande. Ser do interior era como se tivesse vindo de outro planeta. Morar na capital gerava muitas despesas. Imagine tudo isso na década de 80, quando o Brasil já era conhecido como país subdesenvolvido!  Era isso que nos ensinavam nas aulas de Geografia. E agora eu vejo, com certa maturidade, como o Brasil era rico e sua riqueza era mal distribuída, pois levou décadas para falir. Gestores engordaram seu bolso e deixaram de investir no povo, seu maior patrimônio. Daí veio o atraso cultural.

Agora, as universidades vêm para o interior, há cursos universitários também a distância; o aluno tem ônibus escolar que lhe deixa na porteira do sítio. Livros didáticos e paradidáticos à disposição, e com tecnologia de fácil acesso.

Mas, onde ficou o sonho de ter uma profissão? Acredito que “muitos pais prepararam os filhos para ser apenas herdeiros”; expressão esta abordada pelo escritor Augusto Cury em um dos seus livros. Portanto, o que devo esperar de filhos que não suaram a camisa, que não apanharam ônibus lotado na capital, não estagiaram? Eu enfrentei essa realidade, por isso, valorizo o meu trabalho e minha profissão de professora, pois sei o que enfrentei. Meu pai, que se tornou médico na década de 70, também vivenciou a dificuldade.

Eu sei que valeu a pena ser estudante brasileiro na década de 70 a 90. Os jovens desse tempo tinham sonhos e neles persistiam. O que mudou com a informática? Revolucionou a vida no sentido de trazer conforto para dentro de casa, trouxe agilidade no raciocínio, mas o profissional ficou insensível. Há processos seletivos que exigem apenas títulos. E a prática? Alguém ficará de fora; fazer o quê? Não se preparou.

A máquina faz tudo para o homem. Ele praticamente só aperta o botão. E as facilidades do mercado estão aí: cheque especial, cartão de crédito, empréstimo, e vamos consumir! Mas, como tem sido o investimento no lado profissional? Quem é o povo que vai consumir?

Eu não culpo pais e filhos. Eu culpo o sistema excludente, que criava cursos profissionalizantes ou de nível superior, no entanto, não gerava empregos. Preocupou-se unicamente em desenvolver política pública assistencialista. E vai de mal a pior, pois quem vai às ruas e protesta, logo mais não terá representantes para dar continuidade à luta, às reivindicações. 

E, quais os cursos mais procurados atualmente? Direito, Informática, Odontologia, Nutrição, Serviço Social, Turismo, Publicidade, Pedagogia, Estética, Psicologia, Técnico de Enfermagem, Téc. em Meio Ambiente, Técnico em Segurança de Trabalho. A Medicina fragmentou-se, substituindo em parte o Clínico Geral. Por exemplo, na Ortopedia existe o médico especialista somente em cabeça e pescoço, ombro ou joelho. Na odontologia existe o ortodontista ou bucomaxilofacial. Vão surgindo de acordo com as necessidades do mercado e se adaptando à tecnologia.

Com todo esse avanço, percebo que à medida que o mundo das profissões abre o leque, e o governo abre cotas, o povo não abre a cabeça, não “interage”, não reflete, devido à praticidade do botão. Na verdade, não internaliza sonhos e valores. O que podemos esperar do mundo digital?

Sinto que várias pessoas têm conquistado título e dinheiro, mas vêm perdendo a essência, o respeito e os sentimentos. O homem conquistou o espaço sideral, entretanto, precisa ganhar no jogo da vida: dignidade, honestidade, fidelidade; superar a maldade e a falsidade. Não basta ter lucro, mas ter hora para ler poesia, ouvir música, dar abraço, aperto de mão e carinho à família e ao amigo, ter amor à profissão, e reconhecer que a vida é efêmera. Então, finalizo dizendo que vejo frutos, mas sinto falta das flores.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

SOBRENOME GUARABIRA

Origem: tupi-guarani. 

Significado: É a junção dos termos Guará (que significa "garça") e Bira (que significa "peludo, teso, ereto, eriçado, pelo longo e duro").

Há uma importante cidade paraibana chamada Guarabira e existe também o sobrenome. Alguns moradores dizem que nessa cidade havia um local em que se via bastante dessas aves.

Existem também os sobrenomes: Guarabyra, Garça, Garcia e Garcez. (Garcez significa filho de Garcia), e Garcia é outra variante de Garça.

A garça é uma ave linda! É encontrada nas seguintes cores: branca, azul, cinza e preta. Por isso também se diz que Guarabira significa "pássaro azul".

SOBRENOME PERSONA

Significa Pessoa.

Daí vieram as palavras: personal(pessoal), personalidade, personagem, personalizado...

Existem os sobrenomes: Persona, Pessoa e Pessôa.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

CUIDADOS ESPECIAIS COM A BELEZA

Mulheres, eis uma ótima forma de cuidar do corpo! Vindo a Mossoró-RN, conheçam o Espaço Bella e desfrutem da sensação de bem-estar.