terça-feira, 23 de abril de 2013

POEMA: VÍCIO NA FALA (AUTOR: OSWALD DE ANDRADE)




Vício na fala

Para dizerem milho dizem mio
Para melhor dizem mió
Para pior pió
Para telha dizem teia
Para telhado dizem teiado
E vão fazendo telhados

(Oswald de Andrade - Literatura comentada. São Paulo, Nova Cultural, 1988).


Quando eu leio o poema acima, lembro que algumas pessoas falam errado por desconhecerem as regras gramaticais, por não terem frequentado uma escola, por reproduzirem a fala do seu meio, caindo no vício de falar do jeito que ouvem. No entanto, com a sabedoria da vida, vão longe! 

Recebem salário, e somos gratos a essas pessoas pelo seu trabalho, uma vez que constroem o país com o cimento, areia, barro, água, brita... Basta olharmos para os edifícios, as pontes, as estradas, quando às vezes não possuem o próprio telhado, e ainda trazem um sorriso estampado no rosto, aparentando mais alegria do que muitos que ganham na loteria. Já conversei com pedreiros e admiro o trabalho deles. 

No calendário está reservado o dia 13 de dezembro para esse profissional, mas toda hora é hora de darmos parabéns pela arte da construção a qual participam o engenheiro, o arquiteto e o pedreiro. Todos têm seu mérito, porém, quem é que pega no pesado de sol a sol? Quem come a marmita fria? Vamos olhar com atenção e fazer mais por essa classe de trabalhadores! 

3 comentários:

Veronikfar Olive disse...

Bem lembrado!

Paulo Santos disse...

Ótimas observações.
Parabéns pela sua visão desse mundo ;)

laércio barros disse...

não há erros na forma de falar. há sim uma da formas variantes de se comunicar. o racismo linguistico parte daquele que não conhece a sua Língua: a brasileira