quarta-feira, 13 de março de 2013

O SER MÃE


Um dia eu me surpreendi com o livro da escritora francesa Elizabeth Badinter, cujo título “Um amor conquistado - O Mito do Amor Materno” me fez refletir. Será que realmente não existe em todas as mulheres o desejo de ser mãe? E aprendi com essa autora que o interesse de procriar depende da condição socioeconômica da época, da cultura, entre outros fatores. Isso me despertou a atenção, porque eu conheci mães que tiveram 15, 18, 20 filhos (pasmem!) até a década de 60, e hoje vemos as famílias optando por terem apenas 1 ou no máximo 2 crianças. Hoje, entendo que mãe é quem se doa, quem se preocupa, quem perde noites de sono, quem deixa de comer para deixar para o filho, quem se atira no mar ou no fogo para salvar o filho e até o filho dos outros. Então, ser mãe não é simplesmente parir, e sim, acompanhar a evolução da criança, torcer, sonhar junto, incentivar, contribuir com conselhos. É mais que presentear, é mais doação do que troca; é renúncia aos próprios sonhos em prol do outro. Por isso, meninas, pensem muito, antes de colocar uma criança no mundo, e também, lembrando que é maravilhoso ser mãe, mas quem adota também se realiza. O importante, então, é cumprir a responsabilidade que Deus confiou à mulher: de continuar a vida com muuuuuuuuuuuuito amor!

Um comentário:

Tatiana Gomes disse...

Muito Lindo Samara seu trabalho,Em fim um blog feito para fazermos pensar, refletir entre outras coisas que faz bem a mente. Quero muito ser mãe pra mim e uma magia incomparável, mais devido a falta de tempo, esse sonho fica cada vez mais distante, pois e trabalho,Faculdade afff em fim....
BOM, que seja feita a vontade de Deus.... Há seu Blog tá muiiiiiiito lindo adorei :) bjssss